INVICTUS

Filme sobre Nelson Mandela interpretado por Morgan Freeman.

Bem mais difícil que perdoar, na minha opinião, é esquecer. Você pode perdoar um falta cometida contra você – mas é improvável que consiga extirpá-la de sua lembrança.

São, acho eu, coisas muito diferentes. Não que seja um exercício fácil. O perdão, como proposto por exemplo na África do Sul por Mandela, significa riscar uma linha separando o presente o futuro das faltas passadas e determinar que não se voltará para trás dessa linha. Que aqueles erros não serão repetidos.

Tudo é difícil. cada pessoa tem suas nuances, seus pequenos gestos – mas eles não são simples atitudes físicas. São manifestações de quem essa pessoa é em seu interior.

Mandela não ouve as pessoas da maneira que nós ouvimos os outros, ele parece ir para outro lugar. Se você tenta prender o olhar dele, ele não cede – vai embora e se recolhe em algum ponto de si mesmo.

Ele é uma esfinge: um homem muito quieto, muito composto, difícil de ler.

Acho que ele tirou a disciplina para a política do admitir e perdoar depois de passar 27 anos encarcerado. Foram quase três décadas pensando sobre um pergunta: Por quê?

Ele é o tipo raro de homem que nessas circunstâncias, confinado a uma cela pequena e fria, se dedica a encontrar uma razão que configura algum sentido ao sofrimento – ao menos uma razão que pudesse satisfazer a ele.

Uma arena de esportes é um campo de batalha. Mas, quando a guerra termina, todos ainda estão em pé – talvez um pouco machucados, com algum sangue derramado, mas vivos e capazes de saudar a batalha como justa.

Não sou uma pessoa muito intelectual. Sou, ao contrário, intuitivo.

Ser uma figura de importância (um dos primeiros atores negros de sucesso) acarreta responsabilidades enormes – que talvez eu não deseje, ou para as quais não seja talhado.

A mediocridade não seria pior que o fracasso?

A questão é que ninguém diz aos medíocres que eles são medíocres. As pessoas, neste meio, só se dão ao trabalho de fazer algum comentário nos seus olhos se acham que você é o que há de melhor. Volto, assim, àquela posição de arrogância a partir da qual comentei o fato de Mandela ter escolhido a mim para interpretá-lo: a minha vida inteira, tive certeza de que interessava às pessoas me ver atuar. Sei que sou bom, porque desde o início ouvi isso das pessoas.

Minha mulher não me entende

A falta de uma definição precisa do problema a ser resolvido

Pode ter certeza: a parte mais importante do planejamento de qualquer campanha ou plano de marketing é, antes de mais nada, estabelecer com precisão o que se quer que aconteça.

Parceria se estabelece entre iguais. Escravos em geral não são bons soldados. Quando as pessoas que têm a missão de propor soluções para os problemas de uma empresa perdem a dignidade e passam a pensar apenas na sua própria sobrevivência, estabelece-se a deserção, ninguém mais luta, morre a lealdade, cessa a parceria.

A divergência é um divisor de águas. Quando se discute entre iguais, a diferença de pontos de vista enriquece a compreensão do problema e abre inúmeros caminhos para a solução.

Entre desiguais, prevalece o ponto de vista do mais forte. O resultado, mesmo quando certo (o que é raro), acaba sempre sendo pobre.

O que adiantar possuir uma grande equipe se você não a ouve?

Se a equipe é ruim, troque. Se for boa, assuma que eles também são competentes e ouça suas opiniões.

A postura imperial leva inevitavelmente ao encolhimento da outra parte. Isso pode ser bom para o ego. Mas é péssimo para as relações humanas e para o negócio.

É difícil encontrar uma pessoa inteligente que não tenha opinião.

As pessoas em geral não estão interessadas nos produtos em si. Estão mais interessadas no benefício que podem tirar desses bens ou serviços.

Talento: é a matéria-prima para mudar a história.

Estímulo: é a chave para fazer esse talento atingir seus pontos mais altos.

Why you should start a business

One of the unfortunate side effects of all the publicity and hype surrounding startups is the idea that entrepreneurs is a guaranteed path to fame and riches.

It isn’t. Building a startup is incredibly hard, stressful, chaotic – and more often than not – results in failure…

So why become an entrepreneur?

Three reasons:

  1. Change the world
  2. Make customer’s lives better
  3. Create an organization of lasting value

If you only want to do one of these things, there are better options. But only startups combine all three.

Eric Ries (gigaom.com)

To Think em 1º de Janeiro de 2010

“Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos” -Anais Nin

“Pensar é o trabalha mais difícil que existe. Talvez por isso tão poucos se dediquem a ele” –Henry Ford

“O número dos que nos invejam confirma as nossas capacidades” –Oscar Wilde

“Nasci para satisfazer a grande necessidade que eu tinha de mim mesmo” –Jean-Paul Gartre

“Cada segundo é tempo para mudar tudo para sempre” –Charles Chaplin

“A felicidade do homem casado depende das mulheres com que não se casou” –Oscar Wilde

O segredo da Chanel

Uma vez perguntaram a Mademoiselle Chanel qual era o segredo dos produtos que levavam a sua marca para vender tanto e por tanto.

Chanel deu uma tragada na piteira, reclinou-se no sofá e disse: É que o mundo divide-se em mulheres Chanel e mulheres sem graça.

Você nunca erra quando dá um presente Chanel para uma mulher.

Mademoiselle Chanel sempre achou um jeito de aparecer muito. Seja anunciando ou aparecendo em matérias de editoriais nas principais revistas do mundo.

Ninguém faz uma marca sem divulgá-la.

Livro: A Era Chanel
Autor: Edmonde Charles-Roux